Os intocáveis

Este título é uma provocação. Ia a escrever qualquer coisa como "personalidades" ou "figuras sagradas", mas lembrei-me, a despropósito, mas mesmo a jeito de algum sarcasmo, de um filme sobre um grupo de gangsters em que ninguém tocava. Até um dia.



Na cultura ocidental, ciência incluída, sempre houve um conjunto de "monstros" sagrados, inquestionáveis criaturas que parecerem sempre acima de qualquer falha, erro, ou lapso de inteligência. Foram tantos...Freud (logo este!), Kant, Voltaire, Descartes, Marx, Engels, a lista não terá fim. Nem tudo o que disseram e escreveram se configurou ser verdade, mas nem tudo teria de o ser. Mas ainda assim, muito do que deixaram na sua herança intelectual, está plena de disparates. Hoje, por elegância, bem mais do que por justiça em nome de ciência e cultura, desculpamo-los com a repetida ideia de que "à luz dos conhecimentos da época"...ou "com os meios de que dispunham na altura". Mas terá sido sempre assim?

Um dos grandes problema que tem uma "personalidade" é essa famigerada incapacidade de se questionar a si mesma, de pôr em causa o que teorizou, o que declarou ou escreveu. Normalmente, por evidência de insucessos que atingem a nossa vida comum, apenas pomos em causa políticos, religiosos e, claro, nos últimos anos (50? 100, 150?), os cientistas.

À Filosofia damos um bónus de simpatia e de estado de graça perpétuo, pela conformação que toma a sua natureza muito própria: a ausência quase total de ter de demonstrar seja o que for. O que nem é bem assim, e depende do ramo da Filosofia, mas é-o em geral.

À Arte, que para muito nem é conhecimento, mas as evidências do distanciamento dos nossos diários afazeres e rotinas de comuns, muito comuns (um erro, por opção, pois apenas existem..."comuns" e não há uns quantos, mais comuns do que outros, claro), mortais, damos o benefício da desnecessidade de que se explique, e do nosso parco entendimento dos seus autores e suas obras. E assim, fica a Arte numa espécie de pedestal de intocáveis tendências, correntes e movimentos, e seus obreiros. E fica muito bem, acho eu.

À Ciência, não desculpamos com tais facilidades, mas ainda assim atribuímos o contexto de uma época e dos meios disponíveis para tanto disparate, aos olhos dos conhecimentos actuais, sempre a esses olhos, que sempre mudam de ano para ano, de década para década, ad eternum.

Mas talvez nos devamos questionar sobre a genuína qualidade de alguns agentes de Ciência, por mim tantas vezes idolatrados, sem que o mérito lhes tivesse batido à porta. Mas provavelmente, tão só, por maior desconhecimento de todos os demais. "Em terra de cegos...".

Assiste-me uma dúvida, há muitos anos. Se pusermos esta possibilidade, mesmo que a destinemos às calendas, devemos então, provavelmente, pôr uma outra: a de que a Humanidade, a sua Ciência e Conhecimento podem ter sido negativamente condicionados por um vasto conjunto de caminhos errados, de erros diminutos ou colossais, mas que não permitiram, por condicionamento às palavras do "Mestre" em que matéria for, ou tiver sido e por abandono de outro ou outros caminhos, na procura de respostas.

Se tal acontece, e sabemo-lo bem, na Política, na Economia, nas opções religiosas (para quem não for ceguinho e quiser admitir qualquer coisa mais do que o conto que lhes foi impingido na infância), porque não admitir que a palavra de um Mestre qualquer, fez deixar de ser ouvido outras mentes, admissivelmente mais capazes e mais promissoras.

Dou um exemplo, hoje incontestado: De Rerum Natura, escrito umas centenas de anos do aceite nascimento de Cristo, por Lucrécio, se tivesse vindo à luz do dia bem mais cedo, e poderes retrógrados e esmagadores, o não tivessem tentado fazer esquecer, podia ter mudado em muito o curso do desenvolvimento humano. E, anos depois, a condenação de Epicuro, como perverso e condenável, por defender o Prazer como base da vida e como alimento da algeria e esperança, quantas vidas e quantas depressões de poderiam ter poupado. Pode parecer estranho, mas teriam sido centenas de milhões! Exactamente.

A adulação de alguém, pode ser um caminho muito perigoso...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Parece normal

Leituras recomendadas

Nenhum dia é suficiente para conter toda a luz